A urna pune

O deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD) publicou nota em referência as palavras de Marcão Gomes, secretário municipal de Desenvolvimento Humano e Social de Campos, quando diretamente se queixou da não participação dos três deputados da cidade, eleitos em outubro, que segundo ele tiveram apoio do prefeito Rafael Diniz, na ‘dobradinha’ com ele, que foi candidato a deputado federal. Filho de Marcos Bacellar, reconhecidamente o político de lutas e sem papas na língua, seguiu o mesmo perfil e bateu forte.

A URNA PUNE

Hoje, logo cedo, fui surpreendido com a nota “Marcão aos Deputados”, publicada na Folha da Manhã. Diante da minha citação nominal, e em respeito aos amigos e eleitores, não posso deixar de me manifestar.

Em primeiro lugar, no que diz respeito a “dobrada” citada, eu não tive dobrada com nenhum candidato ligado ao atual Governo Municipal. Não pude impedir, no entanto, que algumas lideranças que se engajaram em minha campanha apoiassem para Deputado Federal quem quer que fosse.

Ao contrário do que a nota tenta fazer parecer, essa “ligação” chegou a me queimar, pois muitas outras pessoas que estavam na minha campanha se sentiram incomodadas com o simples fato de ver meu nome associado ao ex-Presidente da Câmara, tamanha a sua rejeição.

Em segundo lugar, para ficar claro, eu não sentei com o ex-edil nenhuma vez para tratar de eleição, embora tenha sido procurado insistentemente por integrantes do governo para tal.

Isso quase me gerou problemas, pois nas minhas caminhadas havia pessoas que me apoiavam e queriam distribuir santinhos do candidato “oficial” do Governo. Educadamente, sempre pedia que não o fizessem. Eu caminhei SOZINHO, sem o apoio de nenhuma máquina. Tenho a agradecer aos amigos e militância, e a consciência de não estar devendo nada a ninguém.

Em terceiro lugar, sugiro ao atual Secretário reflexão. Ao invés de ficar inventando factoides para valorizar seu passe (que está em baixa no mercado), deveria atentar para os graves desafios não resolvidos pelo Governo do qual faz parte. Poderia pensar sobre a sua trágica passagem na Câmara, que deixou combalidos os cofres para a atual gestão. Deveria lembrar também que a Câmara chegou a ter “mais porteiros do que portas” em período próximo ao pleito de 2018, fato noticiado pelo jornal O Globo ( https://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2018/11/28/camara-de-campos-rj-tem-mais-porteiros-do-que-vereadores.ghtml), tamanho o absurdo!

Creio que toda esse celeuma está sendo “criada” por conta das especulações sobre a corrida eleitoral em 2020. Qualquer pessoa que possa aparecer no radar com chances de vencer a eleição será minada por integrantes da atual Administração. Eu NUNCA me lancei candidato a nada, e desafio qualquer jornalista a me mostrar uma fala minha nesse sentido.

Talvez meu nome esteja incomodando a alguns, pois quem trabalha e não puxa saco realmente incomoda. Campos é muito maior que qualquer um, mas ao longo dos últimos 30 anos alguns não entenderam isso.
Como diria o técnico Muricy Ramalho, “a bola pune”. Essa frase nos permite entender o sentimento do povo: “a urna pune”!

2 comentários em “A urna pune”

  1. Leandro Nunes, eu conheço de perto, os protagonistas da celeuma, portanto me sinto a vontade para comentar, então vamos o que Rodrigo Bacellar, disse, é verdade, seus votos foram frutos de uma campanha basicamente olho no olho e inclusive contou com meu humilde voto, aliás não escondi em quem votaria, tu és testemunha disso, as candidaturas apoiadas pela máquina, ficaram abaixo das expectativas e é facilmente explicável se analisarmos friamente as ações do governo municipal, que não correspondem às demandas da população e aí, deu no que deu, votações abaixo do esperado e a de Marcão Gomes ficou muito aquém do previsto e Rodrigo Bacellar realmente optou pot desvincular sua imagem da imagem do ex-presidente da Câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *