Alguma coisa está fora da ordem …

No dia 20 de novembro, o STF julgará a liminar que durante anos garante os repasses oriundos dos royalties do petróleo aos estados e municípios produtores. Esse tema é extenso e envolve tudo, isso mesmo, tudo no que diz respeito ao cidadão que habita qualquer um desses municípios. Aqui, em nossa região, em especial, Norte do Estado do Rio de Janeiro a dependência ao longo dessas décadas é visceral.

É inadmissível imaginar que em qualquer circunstância, dentro de casa, por exemplo, havendo um corte radical na ordem de 75% da arrecadação, que se possa manter qualquer equilíbrio, imaginemos uma cidade como Campos, por exemplo, que deixaria de arrecadar e contar exatamente com o que lhe mantém ao longo dessa temporada que envolve uma larga escala de roubalheira, corrupção, quadrilhas especializadas em roubos aos cofres públicos e que na ponta, tem a população que paga na carne essa alta e pesada conta.

Não vou entrar nessa discussão que já nos orbita também ao longo desses muitos anos, de avião da Polícia Federal as picapes da PF tocando as campainhas às 6 da manhã, levando para trás das grades esses elementos que não se importaram, e porque não dizer, ainda não se importam e nem se importarão com os riscos e o fortalecimento da boçal afirmação de que ‘o crime compensa’.

Acabei me estendendo para dizer qual avaliação que faço da audiência pública promovida pela Câmara Municipal de Campos, ontem, e que deveria ter a possível perda e arrecadação como discussão central, não aquela do telão, dos dados, das falas, estou apontando é para a essência do debate. Mais uma vez tudo ficou no campo da política, ou quase tudo, mesmo que alguns de fato interessados em ter como debate principal, os riscos … apesar de eu acreditar que prevalecerá a regra atual, muito por conta exatamente da força política que o estado do Rio de Janeiro tem hoje com os presidentes da Câmara e da Presidência da República, além das questões Constitucionais, que são amplamente defensáveis.

É justo destacar a posição dos vereadores que formam a Comissão de Petróleo e Energia e que promoveram a audiência e não ficaram inertes ao debate. Logicamente, que com o pano de fundo político eleitoral de forma exacerbada, o que já era anunciado, e, por esta razão não teria comparecido o prefeito de Campos, Rafael Diniz? Ah, presidente da Ompetro (Organização dos Municípios Produtores de Petróleo). E os demais prefeitos que também formam a entidade principal que deve estar com essa bandeira 24 horas erguida.

Será que o amplo entendimento é de que foi armando o palco para o deputado federal Wladimir Garotinho (PSD), presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Municípios Produtores de Petróleo da Câmara? Se foi, ele usou bem. Mas qual reflexo prático se terá?

Uma coisa é certa, volto a dizer que acredito que a regra será mantida. Aí todos serão padrinhos do filho bonito, que nem tão bonito assim está, porque aqui em Campos, a crise moral, ética, econômica e outras mais tem nomes e sobrenomes, tem décadas … não dá para colocar na mesa, uma imaginária de futebol onde de um lado fica a situação (catastrófica) e do outro a oposição (sem projetos factíveis e com um passado recente nebuloso). A discussão necessita ir além …

Ah, já ia esquecendo, e cadê a cobertura da imprensa no que deveria ter sido o assunto do dia?

Fecho com parte da canção ‘Fora de Ordem’, de Caetano Veloso:

Aqui tudo parece
Que era ainda construção
E já é ruína
Tudo é menino, menina
No olho da rua
O asfalto, a ponte, o viaduto
Ganindo prá lua
Nada continua…

E o cano da pistola
Que as crianças mordem
Reflete todas as cores
Da paisagem da cidade
Que é muito mais bonita
E muito mais intensa
Do que no cartão postal…

Alguma coisa
Está fora da ordem
Fora da nova ordem
Mundial …

Reajuste 0%

Os fatos que envolvem o capítulo mais complexo do governo de Rafael Diniz, que é o reajuste exigido pelos servidores públicos são de deixar qualquer um sem o poder de entendimento, e isso leva a várias ilações. Será que foi falta de capacidade técnica que levou ao anúncio de 4,18%, e mesmo que esse não atendesse nem de perto o anseio inicial dos servidores, ao mesmo era sim um sinalizador de se fazer dentro do possível?

Como se anuncia dizendo que estudos apurados apontaram para esse limite, debate com as classes, toma porrada, vê os servidores entrando em greve, pela primeira vez um redundante FORA RAFAEL!!!, com eco dentro do coração da prefeitura, dentro da Câmara Municipal, até porque nas ruas não se vê nada diferente disso, mas com os servidores?

Falta feeling

Se o NÃO, o mesmo que foi dito em outros momentos do governo tivesse um respaldo técnico convicto, seria diferente, o que não quer dizer que seria fácil ou bem aceito. O que tem sido apresentado, muda a todo instante, essa variação de ‘razões’ jogou na lona toda a capacidade de argumentação.

Essa coisa de dizer que pode dar certo aumento e voltar atrás porque no mesmo mês houve uma queda de receita dos royalties, é a certeza de que não havia certeza, não havia segurança, foi uma promessa vazia, e colocar na conta também do problema que pode se confirmar em novembro, quando do julgamento da liminar dos royalties do petróleo, aí não tem professor universitário, nem mesmo o mais gabaritado que vai conseguir explicar.

O ‘brinquedo’ Prefeitura de Campos é bem mais complexo que os jovens acham, ainda mais com os bilhões de armadilhas deixadas, mas não dá para se dizer de inocente. Foram mais de 151 mil procurações e o direito confirmado nas urnas, mas as ruas, pouco menos de dois anos e meio depois mostram uma insatisfação talvez não vista.

O passado é terrível, o presente assustador e o futuro …

Barco à deriva ou mar revolto?

A sessão da Câmara de Vereadores promete ter um debate acalorado nesta terça-feira (28), e não é por conta de discussão de projetos de leis ou algo do gênero, mas sim por promessas de ‘arranca rabo’ mesmo entre alguns vereadores, tipo aquelas brigas de escolas que são prometidas de véspera.

A origem foi uma postagem do vereador de oposição Álvaro de Oliveira (SD), que publicou um artigo intitulado de “O barco do prefeito está afundando…”, e não somente colocou o chefe do Executivo na navegação, como os companheiros do Parlamento ao declarar que na sessão onde estavam presentes os servidores do CCZ que requeriam direitos, os vereadores da base teriam abandonado o plenário por incapacidade de defender o governo e como ‘gatinhos acuados e irão abandoar esse barco com medo da extinção? Será que irão trocar suas centenas de cargos para terem uma chance de reeleição?’.

Mas na verdade estavam em sala anexa exatamente reunidos com os representantes do setor, e essa posição de Álvaro Oliveira insuflou a discussão que foi parar no plenário onde dois vereadores se rebelaram.

Atitude covarde …

O vereador Cláudio Andrade bradou contra a postura do edil e comparou os governos ao qual Álvaro fez parte como chefe de gabinete da prefeita Rosinha Garotinho e ainda como presidente da EMUT, e o governo Rafael Diniz.

“Há uma distância muito grande entre o que vou falar e o que ele pode falar, defendo o governo honesto, e ele por muitos anos defendeu um governo desonesto, como ele foi quando alguns postes começaram a cair e ele disse que era atentado terrorista, demonstra tamanha irresponsabilidade. Diz que o barco está afundando e nos afastamos do plenário. Ele incita para que os resultados não deem certo, torce contra mesmo que isso atinja aos servidores. Não teve peito e coragem para estar conosco para resolver olho no olho. Ao nos chamar de dinossauro, acertou, não somos abutres igual a ele que trabalha no caos, no desastre. Torce para que os servidores não tenham reajuste, por exemplo, porque assim perde o diálogo, as únicas armas que tem difamar, o governo os vereadores e até seu seus parceiros de trabalho de convívio. O governo tem problemas sim, claro, e falamos, diferente dele que não fala do seu amigo presidiário. Não tem sequer uma lei e deveria começar a trabalhar ao invés de ser artista de redes sociais”.

Genásio que chegou a ser citado na postagem, na condição de líder do governo, prometeu pegar Álvaro nesta terça, ou seja, anunciou o encontro. “Não fazemos parte de organização criminosa. Ele é um covarde. Tinha que ser homem para ficar aqui e honrar a palavra dele. Mas terça vai estar aqui e quero ver ele falar isso na minha frente”.

Já o presidente Fred Machado contemporizou e disse que iria tentar acalmar os ânimos. Será???

Experiência e política

O governo Rafael Diniz tem personagens que ao longo dos anos se notabilizaram por fazerem política 24 horas por dia, sem pestanejar. Um deles é Fernando Leite, jornalista, escritor, político na essência, ex-deputado federal e se não o mais, um dos mais preparados para apontar caminhos para solução de questões que a Faculdade não ensina, e não é porque não quer, é porque também não sabe. Na prática é outra coisa. Sei que esse texto vai surpreender até mesmo o Fernando Leite, só para deixar claro que aqui não tem jogo de cartas marcadas. É o meu pensamento. Como diz um amigo, junta todo mundo para perder para ele.

Aumentando o tom …

Mas também não basta querer falar, tem que saber, e saber o tom também. Recentemente o vereador Marcão Gomes, que hoje é Secretário de Desenvolvimento Humano e Social, chamou alguns para a discussão, mas pecou, ao tornar público o que deveria ter sido tratado sim, mas internamente. A vontade de fazer o papel político necessário acabou não saindo da forma que deveria, e afastou oficialmente o deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD), que está trabalhando nos bastidores estruturando seu projeto.

Defesa forte e equilibrada …

Quem veio a público nesta segunda-feira (27), ou seja, começou a semana pegando pesado foi o superintendente de Limpeza Pública, Carlos Augusto Siqueira. Mas na condição de agente político cascudo. Fez em sua página pessoal nas redes sociais referência aos avanços do governo, inclusive os destacando e politizando ao demonstrar o tamanho do problema encontrado, que foi deixado pelo governo passado. O chamou de “relatório de danos”, e após apresentá-lo devolveu a bola para o prefeito.

RELATÓRIO DE DANOS QUE APRESENTO AO POVO DE CAMPOS
Passamos 2 anos desarmando as minas deixadas pelo inimigo no solo goytacá. 
Com nossos soldados construímos uma estrada de chão batido porém segura para seguirmos em frente.

Com orçamento anual que chegou na casa dos 3 bilhões no governo passado, e hoje perdemos 1 bilhão com a queda dos royalties, estamos nos reinventando. Só a folha, consumirá 50% da arrecadação de 2 bilhões previstas para 2020, restando somente os outros 50% para custeio da máquina pública e para investimentos num Município com 530 mil habitantes e 4.032 km2 de extensão territorial.

– Acertamos com o BB de só pagar o valor de 10% ao mês do valor arrecadado com royalties, da DÍVIDA DO FUTURO de mais de 300 milhões
– Limpamos o nome do Município na CAIXA.
– Encontramos uma folha de pgto acima do limite constitucional.
– TODOS os recursos destinados a aposentadoria do servidor no PREVICAMPOS perdidos em aplicações financeiras nefastas feitas em empresas que faliram. 
– Parque Julião Nogueira destruído.
– Parque Saraiva em Goytacazes dinamitado.
– Peças do mobiliário urbano com obras abandonadas e dívidas por pagar, tais como o Palácio da Cultura, Camelódromo e o Hospital São José, dentre outras. 
– SAUDE, à espera nas filas intermináveis e agonizando nos corredores dos hospitais sucateados.
– Tivemos que cortar programas sociais nebulosos, como passagem a Um real que nas madrugadas os motores dos ônibus eram desligados mas as roletas NÃO paravam, para compensar o valor da passagem . Restaurante popular e o FAMOSÍSSIMO CHEQUE CIDADÃO, conhecido no mundo inteiro; não na ONU, mas nos TRIBUNAIS por sentenças condenatórias transitadas em julgado em todas as esferas do judiciário, inclusive com prisão da prefeita e vários dos agentes públicos envolvidos. 
– Sistema de transportes caótico e empresários falidos.
– Campos estava com o nome sujo em todos os órgãos governamentais de fomentos no país.

Nossa população votou no nosso grupo para reconstruir o Município. Hoje, nas ruas, essa mesma população diz que o prefeito não é LADRÃO; mas diz também que o prefeito não faz nada.

Essa reconstrução de terra arrasada leva tempo, mas agora, passados 2 longos anos de recuperação e saneando as contas públicas, vamos pra rua dizer tudo que fizemos, e estaremos fazendo para recuperar o moral de nossa tropa de servidores e levantar a alto estima dos Campistas.

Quem viver verá, e podem apostar.

Esse é o relatório.

Passo a palavra daqui pra frente ao Prefeito Rafael Diniz, sobre o que faremos à seguir.

Carlos Augusto Siqueira com Fernando Leite e Marcel Cardoso, membro do governo e que faz parte do seleto grupo dos mais próximos ao prefeito Rafael Diniz

Sair do Cesec

Uma das mais pesadas críticas que o governo Rafael Diniz sofre é a ausência das ruas, é não dialogar com o povo, com os segmentos, com formadores de opinião, e quando isso acontece, o prefeito geralmente não coloca em prática. As eleições já estão aí, e estão mesmo. Pensar que 2020 ficará para 2020, é falácia, é mentira, é ilusão, e mais, seria arriscar e entregar ao adversário ainda melhores condições para recuperar, ou então, para quem vier pela primeira vez a disputar à Prefeitura de Campos, o prato de bandeja.

O governo é frio e não fala e não trata política, uma mexida aqui, outra lá, e nada que tenha trazido à tona uma proposta eleitoral ou mesmo acordo político. A não ser que, e aí vale avaliar, que o entendimento desse governo é que a reeleição está garantida, e é só deixar o tempo passar. Ora bolas!!! A rua diz outra coisa, as filas falam outras coisas, as pesquisas cristalinamente mostram outra coisa.

Começou a andar …

O prefeito resolveu sair, foi à Travessão no último sábado em importantíssima ação de combate ao maldito mosquito da chikungunya. Opa, se o prefeito saiu é porque a frigideira esquentou ao ponto de o acordar. Não sei como foi a recepção da população, até porque, pelas fotos, o prefeito estava altamente brindado pelos membros do governo e outros mais que se alinham. Como terá sido a receptividade da população aos olhos do que não estão contaminados pelo ‘está tudo certo?’.

Problemas por muito tempo …

Claro que os números mostram também de forma cristalina que o governo passado deixou de ‘presente’ terra arrasada, mas não pode se dizer surpreso, todos, todos, como diz Roberto Henrique, até os bebês de colo sabiam do drama a ser enfrentado.

Pelo jeito o prefeito assumirá agora essa postura de ir para rua, finalmente olhar nos olhos do eleitor, os mais de 151 mil que o elegeram em 2016, no primeiro turno, vencendo em todas as sete zonas eleitorais e com a tal onda verde. No domingo participou de outra ação, mais uma muito bacana por sinal, em praça pública completamente reformulada.

É necessário discutir, debater, apresentar os avanços e eles estão acontecendo sim, mesmo que de forma moderada e com muitas amarras ainda.

Se o que vale para o atual governo é a famosa garantia de que a máquina leva o candidato, ainda mais se tratando de reeleição, ao segundo turno, ok.

Imaginando …

Se a eleição fosse hoje e por acaso tivéssemos os nomes postos, ao menos, os mais cogitados. Digamos que fosse um segundo turno entre Rafael Diniz e Wladimir Garotinho. Com quem Rodrigo Bacellar (SD), Gil Vianna (PSL), Caio Vianna (PDT) seguiriam? Temos os exemplos, com exceção da onda verde em 2016, que inundou a cidade e elegeu Rafael Diniz no primeiro turno, de que as alianças sacramentam as vitórias, mas pode ser também que se entenda que é melhor poucos e bons (no conceito do governo). Em 2016 além do PPS, teve o PV, de Gustavo Matheus, e esse já foi … e o Rede que era do vereador Marcão, que está no PR. Essa reconstrução não é simples, mas necessária …

Com as crianças o prefeito está bem, as fotos dessa postagem mostram que estão bem felizes

Semana próspera

Campos teve o que podemos chamar de semana próspera, com diversos encontros e grandes projetos sendo lançados relacionados aos setores do petróleo e do agronegócio.

Começou na segunda-feira com audiência importante realizada na ANP articulada pelo deputado federal Wladimir Garotinho (PSD), onde foram apresentados os dados oficiais que comprovam que estados e municípios produtores de petróleo perderão cerca de R$ 70 bilhões em cinco anos, caso  a liminar concedida  pela ministra Carmen Lúcia na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4917, que suspendeu dispositivos da Lei 12.734/2012, seja derrubada. O julgamento foi marcado pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli, para 20 de novembro.

Uma palavra de ânimo, ao mesmo tempo outra de preocupação do deputado Wladimir. As duas vertentes estão vinculadas ao fato de que haveria no momento, com base no que cada um dos ministros teriam como avaliação a possibilidade de se ter um debate acirrado, mas ao mesmo tempo uma grande esperança está fincada no fato de o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) serem do Rio, o que ajuda no campo político. Em Campos, nesta quinta-feira o governador Wilson Witzel tratou do tema também e se mostrou confiante ao dizer que entendo do tema, e como ex-juiz teria a forma para vencer essa batalha.


Lançado o Cidennf …

Já na quarta-feira (22), foi aberto no Centro de Convenções da Uenf, o I Seminário de Desenvolvimento Regional do Norte e Noroeste Fluminense. Organizado pelo Consórcio Público Intermunicipal de Desenvolvimento do Norte e Noroeste Fluminense (Cidennf). Um sucesso!!!

Contou com os prefeitos e representantes dos cinco municípios que compõem o Consórcio, mas com outros que já apresentaram a carta de intenção para entrar também no projeto que visa em especial colocar todos os pares juntos pensando o presente e o futuro, tratando-se entre outros de grandes projetos estruturantes como o Corredor Logístico, Ferrovia, Estrada do Contorno a BR 101 entre outros.

Foram dois dias de evento de debates entre os poderes públicos federal, estadual e municipal com a iniciativa privada. Foi o pontapé inicial de algo muito especial que a região precisa, aliás, há muito tempo, e que agora sai também das salas administrativas e vire uma realidade na prática, o que será importante para todos, em especial para a região.

Quem não figurou entre os convidados foi o único deputado federal da região, Wladimir Garotinho (PSD).

Além do poder público foram parceiros e compõe o trabalho o Sebrae, Firjan, Tec Campos, IFF, Águas do Paraíba, Acic, Outside, Concrelagos, GNA, Codin, BPort, Laterita e Inter TV.

Na Coagro …

O RioAgro Coop foi aberto com a presença ilustre do governador Wilson Witzel, que prometeu que o estado estará promovendo ações e investimentos junto ao setor. Tendo de um lado o deputado federal Wladimir Garotinho e do outro o prefeito Rafael Diniz, o governador não perdeu a oportunidade de alfinetar a todos, inclusive aos demais vários prefeitos presentes. “Estão tendo a oportunidade de ver que fizeram a escolha errada”, uma referência ao apoio maciço que Eduardo Paes (DEM) recebeu na região na disputa pelo governo do estado.

A irrigação terá o aporte, segundo o governador, na ordem de R$ 30 milhões, que também serão aplicados para recuperação dos canais da baixada.

O governador anunciou ainda e sem detalhes que vai concluir a obra da ponte que ligará (se finamente ficar pronta) as cidades de São João da Barra, São Francisco de Itabapoana e Campos em percurso bem mais curto, o que também ajudará no processo de desenvolvimento da região, no que diz respeito ao Porto do Açu e ao setor do agronegócio. Os R$ 120 milhões que o Detran repassou ao DER/RJ para reformas das rodovias do interior e ainda o fortalecimento da Uenf, também foram citadas pelo governador. Agora é acreditar e apostar que de fato vai ocorrer com o grupo de trabalho que foi instituído.

O evento realizado na Usina Sapucaia foi organizado pela Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), pela Coagro e o Grupo Fatore, e abriu a safra 2019-2020.

Wladimir Garotinho falou de seu projeto para a classificação das áreas das regiões Norte e Noroeste em semiárido, o que garantirá mais investimentos e consequentemente empregos no setor.

Rafael Diniz lançou o Agrocana, linha de crédito para produtores de cana do município. O anúncio foi feito durante a abertura do RioAgro Coop realizado na Cooperativa Agroindustrial do Estado do Rio (Coagro) e que contou com a participação do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel e demais autoridades municipais, estaduais e federais.

Denúncia protocolizada na PF

Conforme havia anunciado Thiago Virgílio (PTC), vereador afastado de suas funções por condenação no caso que ficou conhecido como ‘Chequinho’, foi à sede da Polícia Federal e apresentou denúncia crime contra a administração do prefeito Rafael Diniz (PPS).

Em vídeo publicado em suas redes sociais, Virgílio apresentou três das denúncias, sendo que além dessas, a página da denúncia, que segundo o mesmo tem 60 páginas, pede também o afastamento do cargo do prefeito, alegando uma possível ligação do prefeito com o ex Procurador Geraldo do Estado, Cláudio Lopes, e assim ligação com o grupo liderado pelo ex governador, Sérgio Cabral. O caso veio a tona recentemente em gravações que foram divulgadas de conversas do ex Procurador e que citam possível processo investigativo da atual gestão de Campos.

“Fizemos a nossa parte e agora o que a população de Campos espera é que seja instaurado o inquérito e que a Polícia Federal com todo seu empenho e imparcialidade investigue a fundo”, destacou Virgílio que completa dizendo que é “Batom na cueca”. Virgílio ainda relembra que essas denúncias já haviam sido feitas no Ministério Público e na própria Câmara de Vereadores.

A notícia crime pede a investigação apontando possíveis irregularidades na dispensa de licitação na compra de medicamento e insumos no valor de quase R$ 16 milhões, que teve por parte do prefeito, decreto de emergência para a compra, e as mercadorias que estariam sendo atestadas sem a totalidade da entrega. Ainda, a contração de empresa de Home Care em R$ 7 milhões, por 120 dias, o que corresponde à R$ 60 mil/dia e a dispensa de licitação na concessão do aeroporto, no valor de R$ 4,5 milhões por 180 dias. Para finalizar o vídeo, Thiago ainda citou a contratação de empresa da consultoria tributária por R$ 14 milhões de CNPJ recém criado.

Combate à corrupção

A audiência marcada para 03 de junho, do Conselho Municipal de Combate à Corrupção e que terá como pauta o rombo da PreviCampos deve ter a atenção de todos. Ao ouvir nos últimos dias os detalhes passados pelo secretário de Gestão, André Oliveira, de fato fiquei impressionado com tamanha aberração praticada por gestores que já estão sendo investigados pela justiça, e que trata o assunto em sigilo.

A operação ocorrida há um ano, com computadores e documentos apreendidos como provas para a investigação, é parte do caos. O rombo não está vinculado ‘apenas’ as negociações realizadas com instituições financeiras. A coisa é feia, e diante dos dados já apresentados e que são públicos, já dá para imaginar que vai ter gente tendo que se explicar, mas …

A criação do Conselho diante de projeto de lei do vereador Cláudio Andrade, vai ao encontro das promessas de campanha de Rafael Diniz, combate a corrupção, e mais, essa é se não o maior, mas certamente um dos maiores anseios do cidadão. Tem muita coisa para ser investigada, ontem, hoje e amanhã …

A urna pune

O deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD) publicou nota em referência as palavras de Marcão Gomes, secretário municipal de Desenvolvimento Humano e Social de Campos, quando diretamente se queixou da não participação dos três deputados da cidade, eleitos em outubro, que segundo ele tiveram apoio do prefeito Rafael Diniz, na ‘dobradinha’ com ele, que foi candidato a deputado federal. Filho de Marcos Bacellar, reconhecidamente o político de lutas e sem papas na língua, seguiu o mesmo perfil e bateu forte.

A URNA PUNE

Hoje, logo cedo, fui surpreendido com a nota “Marcão aos Deputados”, publicada na Folha da Manhã. Diante da minha citação nominal, e em respeito aos amigos e eleitores, não posso deixar de me manifestar.

Em primeiro lugar, no que diz respeito a “dobrada” citada, eu não tive dobrada com nenhum candidato ligado ao atual Governo Municipal. Não pude impedir, no entanto, que algumas lideranças que se engajaram em minha campanha apoiassem para Deputado Federal quem quer que fosse.

Ao contrário do que a nota tenta fazer parecer, essa “ligação” chegou a me queimar, pois muitas outras pessoas que estavam na minha campanha se sentiram incomodadas com o simples fato de ver meu nome associado ao ex-Presidente da Câmara, tamanha a sua rejeição.

Em segundo lugar, para ficar claro, eu não sentei com o ex-edil nenhuma vez para tratar de eleição, embora tenha sido procurado insistentemente por integrantes do governo para tal.

Isso quase me gerou problemas, pois nas minhas caminhadas havia pessoas que me apoiavam e queriam distribuir santinhos do candidato “oficial” do Governo. Educadamente, sempre pedia que não o fizessem. Eu caminhei SOZINHO, sem o apoio de nenhuma máquina. Tenho a agradecer aos amigos e militância, e a consciência de não estar devendo nada a ninguém.

Em terceiro lugar, sugiro ao atual Secretário reflexão. Ao invés de ficar inventando factoides para valorizar seu passe (que está em baixa no mercado), deveria atentar para os graves desafios não resolvidos pelo Governo do qual faz parte. Poderia pensar sobre a sua trágica passagem na Câmara, que deixou combalidos os cofres para a atual gestão. Deveria lembrar também que a Câmara chegou a ter “mais porteiros do que portas” em período próximo ao pleito de 2018, fato noticiado pelo jornal O Globo ( https://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2018/11/28/camara-de-campos-rj-tem-mais-porteiros-do-que-vereadores.ghtml), tamanho o absurdo!

Creio que toda esse celeuma está sendo “criada” por conta das especulações sobre a corrida eleitoral em 2020. Qualquer pessoa que possa aparecer no radar com chances de vencer a eleição será minada por integrantes da atual Administração. Eu NUNCA me lancei candidato a nada, e desafio qualquer jornalista a me mostrar uma fala minha nesse sentido.

Talvez meu nome esteja incomodando a alguns, pois quem trabalha e não puxa saco realmente incomoda. Campos é muito maior que qualquer um, mas ao longo dos últimos 30 anos alguns não entenderam isso.
Como diria o técnico Muricy Ramalho, “a bola pune”. Essa frase nos permite entender o sentimento do povo: “a urna pune”!

João Peixoto sem voltas

Na manhã desta segunda-feira (22), o deputado estadual João Peixoto (DC) bem a seu estilo, em entrevista concedida aos jornalistas Aluízio Abreu Barbosa e Arnaldo Neto, no Folha no Ar, confirmou sua aliança com o prefeito Rafael Diniz, em Campos, bem como com a prefeita de São João da Barra, Carla Machado (PP), visando as eleições 2020.

Ainda sobre o apoio à Rafael Diniz, João Peixoto foi direto quando disse que só não estará com o prefeito se ele não quiser. ‘Uma coisa eu garanto, eu ganho a eleição’, declarou sem a menor modéstia.

“Minha prioridade é caminhar com Rafael, a não ser que a gente não acerte, mas contra não vou ficar. De todos que vejo ai, seria ele (Rafael Diniz). O Caio (Vianna) já ajudei da vez passada. Wladimir já me chamou para conversar, mas não conversamos, foi apenas um encontro na escola no Farol. Rodrigo (Bacellar) sentou perto de mim na Alerj e disse que estão fazendo um bloco para 2020. Se eu der a palavra está dada e pronto. Disse que estou com conversa com Rafael, e depois podemos voltamos a conversar”. “Em São João da Barra minha prefeita (Carla Machado) está eleita”. Ao ser indagado da possibilidade de Carla não poder ser candidata, disse: “Aí a gente pensa”.