Claro que ia dar ruim …

Sobre a nova prisão do casal Garotinho, na manhã desta terça-feira (03) uma coisa me chamou a atenção … a curiosidade das pessoas perguntando qual foi o ‘motivo’ dessa vez … teve um que indagou: “Foi Odebrecht, dos fantasmas da GAP, Chequinho, JBS, Lava Jato, Previcampos, Fundecam, ou algo novo?”.

Esse cenário é muito triste. Fazer a ilação ao momento caótico financeiro que os cofres públicos municipal vive é de fato correto, mesmo tendo chegado ao extremo desgaste esse discurso. Falo isso, só para mostrar mais um caso em meio a tantos outros citados na pergunta de um cidadão campista que citei acima, fora os não lembrados ou que ainda não vieram à tona.

Talvez a maior novidade nessa nova operação seja o surgimento dos nomes das pessoas que durante anos trabalharam diretamente com as autoridades presas mais uma vez, sendo que até então, não tinham sido ‘convocados’ para falar o que sabem e vivenciaram … Em matéria do site UOL foram classificados como: “exerciam funções de apoio à organização criminosa, especialmente no recebimento das quantias indevidas “.

Esse negócio, de fazer negócio e deixar os rastros que são possíveis se achar quando se faz um trabalho investigativo como deve ser, é questão de tempo, mesmo que por tempo longo aos olhos de quem quer uma resposta rápida e eficiente, mas que quando não se vem rápida, mas eficaz, já dá ao cidadão uma garantia de que, por mais que ainda muito fora do lugar, as coisas vão se arrumando aos poucos.

Nos acostumamos tanto a ver a cidade de Campos como aconteceu hoje novamente, em destaque na mídia nacional por conta de roubalheira, e isso acabou se tornando normal para a cidade, uma lástima, tanto é que em meio a crise econômica, política e administrativa, o atual governo se pauta na seguinte afirmação de que ao menos ‘não é um governo corrupto’.

É importante destacar ainda, que tudo indica que existem meandros que virão à tona ainda nesse processo. Pegaram os cabeças, tem mais gente nesse angu. Cada um que trate de se defender e temos visto, que a melhor defesa é o ataque, que ganhou o nome de delação. Falando sobre os 10%, ou quem sabe 20%, já estarão colocando cartas na mesa suficientes para se confirmar as denúncias, é o que espera-se.

A sensação de quem está acompanhando no jornalismo e política ao longo dos últimos anos esse processo, é de que as vísceras ainda estão resguardadas, e que se mostra é parte da bandalheira que retiraram dos cofres públicos milhões, milhões, milhões de vidas, de medicamentos, de insumos, de transporte digno, de educação, de assistência e de tudo que o cidadão campista e fluminense, porque não podemos deixar de lembrar que nesse balaio tem o Estado também … essa conta é a mais pesada.

Casas do programa Morar Feliz …

Brecha na Lei da Ficha Limpa

Filha dos ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho, a deputada federal Clarissa Garotinho (PROS-RJ) apresentou Proposta de Emenda à Constituição para manter direitos políticos de pessoas que estiverem cumprindo penas restritivas de direitos.

Esse tipo de pena é aplicado quando a condenação for menor do que 4 anos, em crime sem violência e quando o réu não tem antecedentes.

Vale destacar que a família tem constantemente destaque na mídia nacional por denúncias de corrupção, fraudes e muitas condenações envolvendo políticos que compõem o que é chamado de ‘Grupo Rosáceo’, uma alusão ao nome da Matriarca que comandou a prefeitura de Campos também, por dois mandatos.

Tanto o pai como a mãe chegaram a prisão e formam o grupo dos cinco últimos governadores do estado que foram para trás das grades. Os outros três foram Sérgio Cabral e Pezão, que seguem presos, além de Moreira Franco.

Com informações da VEJA